Pai de Sherlock Holmes, Conan Doyle nasceu há 150 anos

Por Claudio R S Pucci
Condensado de Terra, 22/05/09

Arthur Conan Doyle

O autor Conan Doyle, que criou o detetive Sherlock Holmes

Ele criou um dos maiores ícones da ficção mundial e revolucionou a maneira de se escrever contos de mistério, além de ter se aventurado em poesia, ficção científica e romances históricos. Estamos falando de Sir Arthur Conan Doyle, o escritor escocês que brindou o mundo com o lógico e sensacional detetive Sherlock Holmes.

Nascido em Edimburgo na Escócia em 22 de maio de 1859, Doyle foi educado em uma escola católica de jesuítas, mas acabou rejeitando o catolicismo e tornando-se agnóstico. Estudou medicina e já na faculdade começou a escrever para jornais locais. Depois de ter sido médico em um navio na costa africana e ter se aventurado em um consultório com um ex-colega de faculdade, sem muito sucesso, foi para Portsmouth, na costa sul da Inglaterra, em 1882.

Como a prática de medicina não estava indo bem e os pacientes eram escassos, começou a escrever para passar o tempo, assim surgiu o livro Um Estudo em Vermelho, o primeiro caso do famoso detetive, personagem baseado em um de seus professores, Joseph Bell. Até mesmo o autor de A Ilha do Tesouro, Robert Louis Stevenson chegou a proclamar a semelhança entre o personagem fictício e o professor real, apesar de algumas más línguas proclamarem que Doyle se baseou em Auguste Dupin, criação de Edgar Allan Poe para a obra Os Crimes da Rua Morgue. Holmes era mostrado como um homem que se atenta para os mínimos detalhes ao resolver um caso, mas não dispensa a criatividade e a imaginação ao pensar em uma solução. Isso fica latente em sua frase mais famosa: “Quando você elimina o impossível, o que sobra, por mais incrível que pareça, só pode ser a verdade”. As histórias eram narradas pelo seu fiel escudeiro, Watson, também médico, que nada mais era que o alter ego de Sir Arthur.

O sucesso popular das aventuras de Holmes trouxe fama e dinheiro a seu criador, mas Conan Doyle se incomodava com o fato do personagem “tirar sua atenção para coisas mais importantes”, como por exemplo os romances históricos. Assim, em 1893, tanto Sherlock, como seu nêmeses, Professor Moriarty, caíram para a morte em uma cachoeira no conto O Problema Final. Na época, a mãe de Doyle alertou-o que ele poderia fazer o que bem quisesse, mas as pessoas não aceitariam aquilo passivamente. Não deu outra e a pressão popular o fez “ressuscitar” sua criação em A Casa Vazia com a explicação que somente Moriarty morreu na queda. Holmes, no final, estrelou 56 contos e quatro romances de seu autor e virou figura lendária.

Doyle ainda teve tempo de estudar oftalmologia, defendeu a participação britânica na Guerra dos Boers na África do Sul (a Inglaterra estava sendo massacrada pela imprensa mundial devido ao ocorrido), foi feito Cavaleiro do Império em 1902 e se interessava ardorosamente por direito e justiça, tendo investigado pessoalmente dois casos. Casou-se duas vezes, a primeira com Louise Hawkins, que faleceu de tuberculose e com Jean Elizabeth Leckie. Com a morte de Louise, de seu filho Kingsley e de seu irmão, Conan Doyle entrou em depressão e se converteu ao espiritismo, tendo inclusive lançado em 1926 o livro The History of Spiritualism. Faleceu em 7 de julho de 1930 em sua casa em Sussex.

Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s