Um homem de carne, osso e deduções

Por Irinêo Baptista Netto
Condensado de Gazeta do Povo, 30/10/10

Ao criar o universo do detetive Holmes, escritor escocês usou técnica narrativa inovadora, inserindo uma história dentro da outra, além de propor ao leitor o jogo de tomar a ficção como fato

“Tivemos uma visão fugaz do Tamisa, com os lampiões brilhando sobre as amplas e silenciosas águas”, diz Conan Doyle no romance O Sinal dos Quatro

“Tivemos uma visão fugaz do Tamisa, com os lampiões brilhando sobre as amplas e silenciosas águas”, diz Conan Doyle no romance O Sinal dos Quatro

Tarefa desagradável a de pinçar no texto de sir Arthur Conan Doyle (1859-1930) as qualidades que fazem de Sherlock Holmes a figura fictícia que muitos preferem acreditar ter existido também fora do papel – como um homem de carne, osso e deduções.

Não existe um fragmento de texto, uma proeza estilística ou apenas um elemento que justifique o interesse suscitado pelo detetive que, depois de morto, obrigou seu criador a revivê-lo ta­­manha a comoção que causou nos leitores. É provável que Doyle temesse pela própria vida e preferiu tolerar sua cria mais um tanto a contrariar os seguidores de Holmes (ou ficar sem dinheiro).

O segredo para a longevidade dos 56 contos e quatro romances do detetive cocainômano está no que pode ser chamado de “A Linguagem de Conan Doyle”, com letras maiúsculas assim. Essa é uma expressão que aparece nos estudos da obra de William Shakespeare (1564-1616), a exemplo do que fez o pesquisador Frank Kermode, usada para se entender a força de peças teatrais como Rei Lear e Hamlet, valiosas mais de quatro séculos depois de terem sido escritas. Especialistas apreciam adaptações que colocam as peças do bardo em ambientes inusitados – na Nova York do século 20, em meio às gangues de Los Angeles ou num morro carioca – quando elas não alteram o texto. Pouco importa o cenário, Shakespeare é Shakespeare por causa da linguagem.

As histórias mais antigas de Sherlock Holmes têm 123 anos – Um Estudo em Vermelho saiu na forma de folhetim pela primeira vez em 1887, na Beeton’s Christmas Annual. Quatro anos depois, quando Conan Doyle começou a produzir contos, a fama de Holmes transformou o autor numa estrela – seu nome numa capa de revista garantia a venda de pelo menos 100 mil exemplares. O número impressiona nos dias de hoje e não era diferente na Londres do fim do século 19.

Esse post foi publicado em Jornais e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s